domingo, 6 de outubro de 2019

O primeiro rapper bilionário da história

Jay-Z é o primeiro rapper bilionário da história. Atingiu essa marca neste ano quando a revista Forbes avaliou seu patrimônio pra colocá-lo numa matéria.

Entre imóveis espalhados pelos Estados Unidos o músico tem em torno de 50 milhões de dólares. Seu investimento de 2 milhões de dólares feito na UBER em 2013 hoje vale 220 milhões de dólares.

                 

Anos atrás Buffet se encontrou com Jay-Z e já previa que o músico se tornaria bilionário, pois ficou surpreso com seu conhecimento. Boa parte do dinheiro do músico esta na produtora de bebidas Armand de Brignac, aproximadamente 300 milhões de dólares.

Ele comprou a marca em 2014. Entre outros investimentos estão selo de música, marcas de roupas, bares, aplicativos, marca de charuto e até ações de um time de basquete. 

5 comentários:

  1. E não é só isto... ele é casado com a Beyoncé. Realmente dinheiro ali não é problema.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Às vezes eu tenho vontade de investir nesse meio musical, montar uma gravadora com o objetivo de lançar artistas brasileiros voltados ao mercado exterior...mas me lembro que esse espaço é muito enviesado, cheio de ativismo, politicamente correto e marxismo cultural. Meu sonho seria reverter o lixo que a música brasileira virou, fazer pop (e não a porcaria do reggaeton) e o rock voltarem ao mainstream. Estudo um pouco dessa área musical, engenharia se som, e considero em investir nesse ramo.

    Jay-Z, pelo pouco que sei, é um cara inteligente, mas sua esposa Beyoncé fatura milhões a base do marxismo cultural e alienação do gado (fãs). O maior paradoxo é que ela é toda progressista mas o marido é nitidamente conservador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a Pena Investir na Música, acho que deveria considerar o hip-hop, rap, r&b, que acho mal explorado no Brasil.

      Excluir
    2. Sim, é um mercado muito mal explorado no Brasil, porque os artistas brasileiros tem uma preocupação enorme em agradar o mercado brasileiro. Artista não pode fazer música pensando em tocar no Faustão e em rádios estadunidenses. São mercados totalmente diferentes.

      E outra, os artistas de hoje estão muito segmentados. Agradam apenas o público LGBT. Nos anos 1980 e 1990 todo mundo escutava grandes nomes do pop. Lembro que antes até homem dizia que gostava da Céline Dion, Whitney Houston, eram cantoras que cantavam para todos. Isso acabou com a música. É preciso de novo voltar a ter artistas que realmente tenham talento e não só lacrem. Gera muito dinheiro a lacração? Talvez, mas menos do que geraria se o mercado fosse mais amplo .

      O cenário músical brasileiro está inundado de porcarias. De Pabllo Vittar a Anitta; de Pablo a Marília Mendonça. Se um empresário fizesse um trabalho que renovasse a músicabrasileora, ele com certeza ganharia muitos royalties. Penso bastante nisso.

      Excluir
  3. Fala, Lyrical.

    Também li essa matéria, e fiquei surpreso em ver que ele realmente se tornou bilionário. Vários Rappers dos EUA contam vantagem e cantam sobre ganhar dinheiro (e torrá-lo em passivos inúteis), mas se tornar bilionário nesse ramo realmente não é pra qualquer um.

    Interessante ver como ele, muito como o Buffett, enriqueceu investindo naquilo que gosta: roupas, vinhos, música, basquete... fica pra gente pensar: deveríamos fazer o mesmo?

    Anyway, depois de ver tanto músico e artista falindo, a história dele realmente é de se inspirar. Valeu por relembrar!

    Abraços e seguimos em frente!

    Pinguim Investidor
    https://pinguiminvestidor.com

    ResponderExcluir